Jesus Crucified

Jesus Crucified
Jesus Christ have mercy on us

Holy Tridentine Mass - Santa Missa Tridentina.

segunda-feira, 7 de março de 2016

Fourth Sunday of Lent - 4º Domingo da Quaresma

Dominica IV in Quadragesima ~ Semiduplex 1st class


Commemoratio: Ss. Perpetuae et Felicitatis Martyrum






Introitus 
Is 66:10 et 11.

Lætáre, Jerúsalem: et convéntum fácite, omnes qui dilígitis eam: gaudéte cum lætítia, qui in tristítia fuístis: ut exsultétis, et satiémini ab ubéribus consolatiónis vestræ.
Ps 121:1.
Lætátus sum in his, quæ dicta sunt mihi: in domum Dómini íbimus. 
V. Glória Patri, et Fílio, et Spirítui Sancto.
R. Sicut erat in princípio, et nunc, et semper, et in saecula saeculórum. Amen
Lætáre, Jerúsalem: et convéntum fácite, omnes qui dilígitis eam: gaudéte cum lætítia, qui in tristítia fuístis: ut exsultétis, et satiémini ab ubéribus consolatiónis vestræ.



Introit 
Isa 66:10-11

Rejoice, O Jerusalem, and come together, all you who love her: rejoice with joy, you who have been in sorrow: that you may exult, and be filled from the breasts of your consolation.
Ps 121:1

I rejoiced because they said to me, We will go up to the house of the Lord.
V. Glory be to the Father, and to the Son, and to the Holy Ghost.
R. As it was in the beginning, is now, and ever shall be, world without end. Amen.

Rejoice, O Jerusalem, and come together, all you who love her: rejoice with joy, you who have been in sorrow: that you may exult, and be filled from the breasts of your consolation.


Intróito. Is. 66, 10 e 11. Rejubila , Jerusalém, e vós todos que a amais, reuni-vos para partilhar do seu júbilo. Regozijai-vos com ela de prazer, vós que tendes vivido na tristeza, porque sereis fartos de consolações abundantes. Sl. Alegrei-me naquilo que me foi dito: Iremos para a casa do Senhor. V. Glória ao Pai.




Orémus.

Concéde, quaesumus, omnípotens Deus: ut, qui ex merito nostræ actiónis afflígimur, tuæ grátiæ consolatióne respirémus.
Per Dominum nostrum Jesum Christum, Filium tuum: qui tecum vivit et regnat in unitate Spiritus Sancti Deus, per omnia saecula saeculorum. 
R. Amen.

Orémus.

Commemoratio Ss. Perpetuae et Felicitatis Martyrum
Da nobis, quaesumus, Dómine, Deus noster, sanctarum Mártyrum tuárum Perpétuæ et Felicitátis palmas incessábili devotióne venerári: ut, quas digna mente non póssumus celebráre, humílibus saltem frequentémus obséquiis.
Per Dominum nostrum Jesum Christum, Filium tuum: qui tecum vivit et regnat in unitate Spiritus Sancti Deus, per omnia saecula saeculorum. 
R. Amen.



Let us pray.

Grant, we beseech You, almighty God, that we who justly suffer for our sins may find relief in the help of Your grace.
Through Jesus Christ, thy Son our Lord, Who liveth and reigneth with thee, in the unity of the Holy Ghost, ever one God, world without end.

R. Amen.

Let us pray.

Commemoratio Ss. Perpetuae et Felicitatis Martyrum

Grant, we beseech You, O Lord our God, that we may venerate with unceasing devotion Your holy Martyrs Perpetua and Felicitas; and although we cannot pay them the honor that is their due, may we at least present to them our humble homage.
Through Jesus Christ, thy Son our Lord, Who liveth and reigneth with thee, in the unity of the Holy Ghost, ever one God, world without end.

R. Amen.


Coleta – Daí, Senhor onipotente, que sendo merecidamente castigados pela nossa má conduta, encontremos refrigério na paz da vossa graça. Por Nosso Senhor Jesus Cristo.


Lectio 


Léctio Epístolæ beáti Pauli Apóstoli ad Gálatas.
Gal 4:22-31.


Fratres: Scriptum est: Quóniam Abraham duos fílios habuit: unum de ancílla, et unum de líbera. Sed qui de ancílla, secúndum carnem natus est: qui autem de líbera, per repromissiónem: quæ sunt per allegóriam dicta. Hæc enim sunt duo testaménta. Unum quidem in monte Sina, in servitútem génerans: quæ est Agar: Sina enim mons est in Arábia, qui conjúnctus est ei, quæ nunc est Jerúsalem, et servit cum fíliis suis. Illa autem, quæ sursum est Jerúsalem, líbera est, quæ est mater nostra. Scriptum est enim: Lætáre, stérilis, quæ non paris: erúmpe, et clama, quæ non párturis: quia multi fílii desértæ, magis quam ejus, quæ habet virum. Nos autem, fratres, secúndum Isaac promissiónis fílii sumus. Sed quómodo tunc is, qui secúndum carnem natus fúerat, persequebátur eum, qui secúndum spíritum: ita et nunc. Sed quid dicit Scriptura? Ejice ancillam et fílium ejus: non enim heres erit fílius ancíllæ cum fílio líberæ. Itaque, fratres, non sumus ancíllæ fílii, sed líberæ: qua libertáte Christus nos liberávit.


R. Deo gratias.






Lesson
Gal 4:22-31

Brethren: It is written that Abraham had two sons, the one by a slave-girl and the other by a free woman. And the son of the slave-girl was born according to the flesh, but the son of the free woman in virtue of the promise. This said by way of allegory. For these are the two covenants: one indeed from Mount Sinai bringing forth children unto bondage, which is Agar. For Sinai is a mountain in Arabia, which corresponds to the present Jerusalem, and is in slavery with her children. But that Jerusalem which is above is free, which is our mother. For it is written, Rejoice, O barren one, that do not bear; break forth and cry, you that do not travail; for many are the children of the desolate, more than of her that has a husband. Now we, brethren, are the children of the promise, as Isaac was. But as then he who was born according to the flesh, persecuted him who was born according to the spirit, so also it is now. But what does the Scripture say? Cast out the slave-girl and her son, for the son of the slave-girl shall not be heir with the son of the free woman.Therefore, brethren, we are not children of a slave-girl, but of the free woman - in virtue of the freedom wherewith Christ has made us free.

R. Thanks be to God.




Leitura da Epístola de S. Paulo Apóstolo aos Gálatas (4, 22 – 31). Irmãos: Está escrito que Abraão teve dois filhos: um da escrava e outra da (mulher) livre. Mas o da escrava, nasceu segundo a carne; e o da livre (nasceu) em virtude da promessa; estas coisas foram ditas por alegoria. Porque estas (duas mães) são os dois testamentos. Um do monte Sinai, que gera para a escravidão: este é (figurado em) Agar; porque o Sinai é um monte da Arábia, o qual corresponde à Jerusalém daqui debaixo (isto é, a Sinagoga), a qual é escrava com seus filhos. Mas aquela Jerusalém, que é de cima, (isto é, a Igreja de Jesus figurada em Sara) é livre, e é nossa mãe. Porque está escrito: Alegra-te, ó estéril, que não dás à luz; exulta e clama, tu que não estás de parto; porque são muitos mais os filhos da (que estava) abandonada (como estéril) que os daquela que tem marido. E nós, irmãos, somos filhos da promessa como Isaac. Mas, assim como então aquele que tinha nascido segundo a carne perseguia o que tinha nascido segundo o espírito, assim (acontece) também agora. Mas que diz a Escritura? Lança fora a escrava e o seu filho, porque o filho da escrava não será herdeiro com o filho da livre. Por isso, irmãos, não somos filhos da escrava, mas da livre; e é com esta liberdade que Cristo nos fez livres.

Graças a Deus!




Graduale 
Ps 121:1, 7
Lætátus sum in his, quæ dicta sunt mihi: in domum Dómini íbimus.
V. Fiat pax in virtúte tua: et abundántia in túrribus tuis.

Tractus 124:1-2
Qui confídunt in Dómino, sicut mons Sion: non commovébitur in ætérnum, qui hábitat in Jerúsalem.
V. Montes in circúitu ejus: et Dóminus in circúitu pópuli sui, ex hoc nunc et usque in saeculum.




Gradual 
Ps 121: 1, 7.
I rejoiced because they said to me, We will go up to the house of the Lord.
V. May peace be within your walls, prosperity in your buildings.

Tractus
Ps 124:1-2
They who trust in the Lord are like Mount Sion, which is immovable; which forever stands.
V. Mountains are round about Jerusalem; so the Lord is round about His people, both now and forever.


Gradual. - Sl. 121, 1 et 7. Alegrei-me  naquilo que me foi dito: Iremos para a casa do Senhor. V. Haja paz nas tuas torres e abundância no teus celeiros.


Tracto. Sl. 124, l - 2. Aqueles que confiam no Senhor são como a montanha de Sião, porque não vacilará jamais o que habita em Jerusalém. Está cingida de montanhas e o Senhor vela em volta do seu povo agora e sempre.



Sequéntia  sancti Evangélii secúndum Joánnem.
R. Gloria tibi, Domine!
Joann 6:1-15

In illo témpore: Abiit Jesus trans mare Galilaeæ, quod est Tiberíadis: et sequebátur eum multitúdo magna, quia vidébant signa, quæ faciébat super his, qui infírmabántur. Súbiit ergo in montem Jesus: et ibi sedébat cum discípulis suis. Erat autem próximum Pascha, dies festus Judæórum. Cum sublevásset ergo óculos Jesus et vidísset, quia multitúdo máxima venit ad eum, dixit ad Philíppum: Unde emémus panes, ut mandúcent hi? Hoc autem dicebat tentans eum: ipse enim sciébat, quid esset factúrus. Respóndit ei Philíppus: Ducentórum denariórum panes non suffíciunt eis, ut unusquísque módicum quid accípiat. Dicit ei unus ex discípulis ejus, Andréas, frater Simónis Petri: Est puer unus hic, qui habet quinque panes hordeáceos et duos pisces: sed hæc quid sunt inter tantos? Dixit ergo Jesus: Fácite hómines discúmbere. Erat autem fænum multum in loco. Discubuérunt ergo viri, número quasi quinque mília. Accépit ergo Jesus panes, et cum grátias egísset, distríbuit discumbéntibus: simíliter et ex píscibus, quantum volébant. Ut autem impléti sunt, dixit discípulis suis: Collígite quæ superavérunt fragménta, ne péreant. Collegérunt ergo, et implevérunt duódecim cóphinos fragmentórum ex quinque pánibus hordeáceis, quæ superfuérunt his, qui manducáverant. Illi ergo hómines cum vidíssent, quod Jesus fécerat signum, dicébant: Quia hic est vere Prophéta, qui ventúrus est in mundum. Jesus ergo cum cognovísset, quia ventúri essent, ut ráperent eum et fácerent eum regem, fugit íterum in montem ipse solus.

R. Laus tibi, Christe!




Continuation of the Holy Gospel according to John
R. Glory be to Thee, O Lord.
John 6:1-15

At that time, Jesus went away to the other side of the sea of Galilee, which is that of Tiberias. And there followed Him a great crowd, because they witnessed the signs He worked on those who were sick. Jesus therefore went up the mountain, and sat there with His disciples. Now the Passover, the feast of the Jews, was near. When, therefore, Jesus had lifted up His eyes and seen that a very great crowd had come to Him, He said to Philip, Whence shall we buy bread that these may eat? But He said this to try him, for He Himself knew what He would do. Philip answered Him, Two hundred denarii worth of bread is not enough for them, that each one may receive a little. One of His disciples, Andrew, the brother of Simon Peter, said to Him, There is a young boy here who has five barley loaves and two fishes; but what are these among so many? Jesus then said, Make the people recline. Now there was much grass in the place. The men therefore reclined, in number about five thousand. Jesus then took the loaves, and when He had given thanks, distributed them to those reclining; and likewise the fishes, as much as they wished. But when they were filled, He said to His disciples, Gather the fragments that are left over, lest they be wasted. They therefore gathered them up; and they filled twelve baskets with the fragments of the five barley loaves left over by those who had eaten. When the people, therefore, had seen the sign which Jesus had worked, they said, This is indeed the Prophet Who is to come into the world. So when Jesus perceived that they would come to take Him by force and make Him king He fled again to the mountain, Himself alone.

R. Praise be to Thee, O Christ.



Seqüência do +  S. Evangelho segundo S. João 6, 1 – 15.

 Naquele tempo: Passou Jesus à outra banda do mar da Galiléia, isto é, de Tiberíades; e seguia-o uma grande multidão, porque via os milagres que fazia em favor dos enfermos. Subiu, pois, Jesus a um monte; e sentou-se ali com seus discípulos. Ora a Páscoa, a festa dos Judeus, estava próxima. Jesus, pois, tendo levantado os olhos, e visto que vinha ter com Ele uma grande multidão, disse a Filipe: Onde compraremos nós pão para dar de comer a esta gente? Dizia, porém, isto para o experimentar, porque sabia o que havia de fazer. Respondeu-lhe Filipe: Duzentos dinheiros de pão não bastam para que cada um receba um pequeno bocado. Um de seus discípulos, (chamado) André, irmão de Simão Pedro, disse-Lhe: Está aqui um jovem, que tem cinco peixes; mas que é isto para tanta gente? Jesus, porém, disse: Fazei sentar essa gente. E havia naquele lugar muito feno. Sentaram-se, pois, em número de cerca de cinco mil (homens). Tomou, pois, Jesus os pães, e, tendo dado graças, distribui-os aos que estavam sentados; e igualmente dos peixes, quanto eles queriam. Estando saciados, disse a seus discípulos: Recolhei os pedaços que sobejaram, para que se não percam. E eles os recolheram, e encheram doze cestos de pedaços dos cinco pães de cevada, que sobejaram aos que tinham comido. Vendo então aqueles homens o milagre que Jesus fizera, diziam: Este é verdadeiramente o profeta que devia vir ao mundo. E Jesus, sabendo que o viriam arrebatar para o fazerem rei, retirou-se de novo ele só para o monte.

R: Louvor a Vós, Cristo!



Offertorium 
Orémus
Ps 134:3, 6
Laudáte Dóminum, quia benígnus est: psállite nómini ejus, quóniam suávis est: ómnia, quæcúmque vóluit, fecit in coelo et in terra.


Offertory 
Let us pray.
Ps 134:3, 6.
Praise the Lord, for He is good; sing praise to His Name, for He is sweet; all that He wills He does in heaven and on earth.


Ofertório. Sl. 134, 3 et 6. – Louvai o Senhor, porque é bom; cantai ao seu nome um salmo, porque é suave e fez no Céu e na Terra tudo o que quis.



Secreta 
Sacrifíciis præséntibus, Dómine, quaesumus, inténde placátus: ut et devotióni nostræ profíciant et salúti.
Per Dominum nostrum Jesum Christum, Filium tuum: qui tecum vivit et regnat in unitate Spiritus Sancti Deus, per omnia saecula saeculorum. 
R. Amen.

Commemoratio Ss. Perpetuae et Felicitatis Martyrum

Inténde, quaesumus, Dómine, múnera altáribus tuis pro sanctárum Mártyrum tuárum Perpétuæ et Felicitatis festivitáte propósita: ut, sicut per hæc beáta mystéria illis glóriam contulísti; ita nobis indulgéntiam largiáris.
Per Dominum nostrum Jesum Christum, Filium tuum: qui tecum vivit et regnat in unitate Spiritus Sancti Deus, per omnia saecula saeculorum. 
R. Amen.



Secret 
Look with favor, we beseech You, O Lord, upon the offerings here before You, that they may be beneficial for our devotion and salvation.
Through Jesus Christ, thy Son our Lord, Who liveth and reigneth with thee, in the unity of the Holy Ghost, ever one God, world without end.
R. Amen.

Commemoratio Ss. Perpetuae et Felicitatis Martyrum

Look with favor, we beseech You, O Lord, upon the gifts placed on Your altar for the feast-day of Your holy Virgin-Martyrs Perpetua and Felicitas, and as You glorified them, lavish upon us Your forgiveness by these sacred rites.
Through Jesus Christ, thy Son our Lord, Who liveth and reigneth with thee, in the unity of the Holy Ghost, ever one God, world without end.
R. Amen.



Secreta – Dignai-Vos olhar, Senhor, com bondade para este sacrifício e fazei que nos aproveite ao progresso espiritual e à salvação. Por Nosso Senhor Jesus Cristo.

Prefácio da Quaresma



Communio 
Ps 121:3-4
Jerúsalem, quæ ædificátur ut cívitas, cujus participátio ejus in idípsum: illuc enim ascendérunt tribus, tribus Dómini, ad confiténdum nómini tuo. Dómine.


 Communion 
Ps 121:3-4
Jerusalem, built as a city, with compact unity: to it the tribes go up, the tribes of the Lord, to give thanks to Your Name, O Lord.


Comunhão. Sl.121, 3 - 4. – Jerusalém, cidade santa, cujas partes formam um todo admirável, lá sobem as tribos do Senhor para louvar o seu nome.


Postcommunio 


Orémus.
Da nobis, quaesumus, miséricors Deus: ut sancta tua, quibus incessánter explémur, sincéris tractémus obséquiis, et fidéli semper mente sumámus.
Per Dominum nostrum Jesum Christum, Filium tuum: qui tecum vivit et regnat in unitate Spiritus Sancti Deus, per omnia saecula saeculorum. 
R. Amen.

Orémus.
Commemoratio Ss. Perpetuae et Felicitatis Martyrum
P Mýsticis, Dómine, repléti sumus votis et gáudiis: præsta, quaesumus; ut intercessiónibus sanctárum Mártyrum tuárum Perpétuæ et Felicitátis, quæ temporáliter ágimus, spirituáliter consequámur.
Per Dominum nostrum Jesum Christum, Filium tuum: qui tecum vivit et regnat in unitate Spiritus Sancti Deus, per omnia saecula saeculorum. 
R. Amen.


Post Communion 


Let us pray.
Grant, we beseech You, merciful God, that we may treat with sincere reverence, and consume with heartfelt faith Your sacrament, which ever fills us to overflowing.
Through Jesus Christ, thy Son our Lord, Who liveth and reigneth with thee, in the unity of the Holy Ghost, ever one God, world without end.
R. Amen.

Let us pray.
Commemoratio Ss. Perpetuae et Felicitatis Martyrum
You have filled us with spiritual joy and delight; grant, we beseech You, O Lord, that by the intercession of Your holy Martyrs Perpetua and Felicitas, we may spiritually attain what now we ritually perform.
Through Jesus Christ, thy Son our Lord, Who liveth and reigneth with thee, in the unity of the Holy Ghost, ever one God, world without end.
R. Amen.


Depois da comunhão. – Daí, ó Deus de misericórdia, que celebremos com piedade sincera e recebamos de coração puro os vossos santos mistérios, de que sem cessar nos alimentamos. Por Nosso Senhor Jesus Cristo.






domingo, 29 de novembro de 2015

Latin Mass- 1st Sunday of Advent (Latin and English)



Dominica Prima Adventus 
Statio ad S. Mariam Majorem
I classisViolaceus

Introitus: Ps. 24. 1-3; ibid. 4
Ad te levávi ánimam meam: Deus meus, in te confído, non erubéscam: neque irrídeant me inimíci mei: étenim univérsi qui te exspéctant, non confundéntur. Ps. Vias túas, Dómine, demónstra mihi: et sémitas túas édoce me. Glória Patri, et Fílio, et Spirítui Sancto. Sicut erat in princípio, et nunc, et semper, et in sæcula sæculórum. Amen.

Oratio Excita quæsumus, Dómine, poténtiam tuam, et veni: ut ab imminéntibus peccatórum nostrórum perículis, te mereámur protegénte éripi, te liberánte salvári. Qui vivis et regnas, cum Deo Patre in unitáte Spíritus Sancti, Deus, per ómnia sæcula sæculórum. Amen.

Epistola: Rom. 13. 11-14 Léctio Epístolæ beáti Pauli Apóstoli ad Romános.
Fratres: Sciéntes, quia hora est jam nos de somno súrgere. Nunc enim própior est nostra salus, quam cum credídimus. Nox præcéssit, dies autem appropinquávit. Abjiciámus ergo ópera tenebrárum, et induámur arma lucis. Sicut in die honéste ambulémus: non in comessatiónibus, et ebrietátibus, non in cubílibus, et impudicítiis, non in contentióne, et æmulatióne: sed induímini Dóminum Jesum Christum.

Graduale: Ps. 24. 3,4. Univérsi, qui te exspéctant non confundéntur, Dómine. Vias túas, Dómine, notas fac mihi: et sémitas túas édoce me.

Alleluia: Ps. 84. 8 Allelúia, allelúia. Osténde nobis , Dómine, misericórdiam tuam: et salutáre tuum da nobis. Allelúia.

Evangelium: Luke. 21. 25-33 Sequéntia sancti Evangélii secúndum Lucam.
In illo témpore: Dixit Jesus discípulis suis: Erunt signa in sole, et luna, et stellis, et in terris pressúra géntium præ confusióne sónitus maris, et flúctuum: arescéntibus homínibus præ timóre, et exspectatióne, quæ supervénient univérso orbi: nam virtútes cœlórum movebúntur: et tunc vidébunt Fílium hóminis veniéntem in nube cum potestáte magna, et majestáte. His autem fíeri incipiéntibus, respícite, et leváte cápita vestra: quóniam appropínquat redémptio vestra. Et dixit illis similitúdinem: Vidéte ficúlneam, et omnes árbores: cum prodúcunt jam ex se fructum, scitis quóniam prope est æstás. Ita et vos, cum vidéritis hæc fíeri, scitóte quóniam prope est regnum Dei. Amen dico vobis, quia non præteríbit generátio hæc, donec ómnia fiant. Cœlum, et terra transíbunt: verba autem mea non transíbunt.

Offertorium: Ps. 24, 1-3 Ad te levávi ánimam meam: Deus meus, in te confído, non erubéscam: neque irrídeant me inimíci mei: étenim univérsi, qui te exspéctant, non confundéntur.

Secreta Hæc sacra nos, Dómine, poténti virtúte mundátos, ad suum fáciant purióres veníre princípium. Per Dóminum nostrum Jesum Christum Fílium tuum, qui tecum vivit et regnat in unitáte Spíritus Sancti, Deus, per ómnia sæcula sæculórum. Amen.

Communio: Ps. 84. 13 Dóminus dabit benignitátem: et terra nostra dabit fructum suum.

Postcommunio Suscipiámus Dómine misericórdiam tuam in médio templi tui: ut reparatiónis nostræ ventúra solémnia cóngruis honóribus præcedámus. Per Dóminum nostrum Jesum Christum Fílium tuum, qui tecum vivit et regnat in unitáte Spíritus Sancti, Deus, per ómnia sæcula sæculórum. Amen.


First Sunday of Advent
First Class
Violet
Introit: Ps. 24. 1-3; Ibid. 4 To Thee, O Lord, have I lifted up my soul: in Thee, O my God, I put my trust; let me not be ashamed. Neither let my enemies laugh at me: for none of them that wait on Thee shall be confounded. Ps. Show, O Lord, Thy ways to me, and teach me Thy paths. Glory be to the Father, and to the Son, and to the Holy Ghost As it was in the beginning, is now, and ever shall be, world without end. Amen.

Collect Arise in Thy strength, we beseech Thee, O Lord, and come: from the dangers which threaten us because of our sins, be Thy presence our sure defense, be Thy deliverance our safety for evermore. Who livest and reignest, with God the Father, in the unity of the Holy Ghost, God, world without end. Amen.

Epistle: Rom 13. 11-14 A reading from the Epistle of the blessed apostle Paul to the Romans. Brethren, knowing the time, that it is now the hour for us to rise from sleep; for now our salvation is nearer than when we believed. The night is past, and the day is at hand; let us therefore cast off the works of darkness, and put on the armour of light. Let us walk honestly, as in the day; not in rioting and drunkenness, not in chambering and impurities, not in contention and envy; but put ye on the Lord Jesus Christ.

Gradual: Ps. 24. 3, 4 None of them that wait on Thee shall be confounded. Show, O Lord, Thy ways to me, and teach me Thy paths.

Alleluia: Ps. 84. 8 Alleluia, alleluia. Show us O Lord, Thy mercy: and grant us Thy salvation. Alleluia.

Gospel: Luke 21. 25-33 A reading from the Holy Gospel according to Saint Luke.
At that time, Jesus said to His disciples: There shall be signs in the sun, and in the moon, and in the stars; and upon the earth distress of nations, by reason of the confusion of the roaring of the sea and of the waves: men withering away for fear and expectation of what shall come upon the whole world. For the powers of heaven shall be moved; and then they shall see the Son of man coming in a cloud with great power and majesty. But when these things begin to come to pass, look up and lift up your heads, because your redemption is at hand. And He spoke to them a similitude: See the fig tree, and all the trees; when they now shoot forth their fruit, you know that summer is nigh; so you also, when you shall see these things come to pass, know that the kingdom of God is at hand. Amen I say to you, this generation shall not pass away till all things be fulfilled. Heaven and earth shall pass away, but My words shall not pass away.

Offertory: Ps. 24. 1-3 To Thee have I lifted up my soul: in Thee, O my God, I put my trust, let me not be ashamed: neither let my enemies laugh at me: for none of them that wait for Thee shall be confounded.

Secret May, O Lord, these Sacred Rites enable us, whom by Thy mighty power Thou hast cleansed from sin, to come pure in heart before Thee who art their author. Through our Lord Jesus Christ, Thy Son, Who liveth and reigneth with Thee in the unity of the Holy Ghost, God, world without end. Amen.

Communion: Ps. 84. 13 The Lord will give goodness: and our earth shall yield her fruit.

Postcommunion May we in the midst of Thy holy temple, O Lord, receive of Thy mercy, who seek with fitting honour to welcome the coming festival of our Redemption. Through our Lord Jesus Christ, Thy Son, Who liveth and reigneth with Thee in the unity of the Holy Ghost, God, world without end. Amen.

segunda-feira, 9 de novembro de 2015

Missas em Viseu e no Porto

Missas em Viseu e no Porto


Domingo 08 de Novembro, Missa:

– Em Viseu às 12h00 (Terço e Confissões às 11h30)

– Em Argoncilhe, às 18h00 (Terço e Confissões às 17:30)

Para maiores informações:

Priorado São Pio X
Estrada de Chelas 29-31
1900-148 Lisboa, Portugal
 [00 351] 218 143 591

quarta-feira, 21 de outubro de 2015

20º Domingo depois de Pentecostes

[Sermão] Carpe Diem: redimir o tempo e o plano de vida



Em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo. Amém.
Ave Maria…
“Irmãos, tende cuidado em andar com prudência: não como insensatos, mas como pessoas circunspectas, aproveitando o tempo, porque estão a correr maus dias.” Essas são as palavras de São Paulo no início da Epístola de hoje, tirada de sua Epístola aos Efésios.
O apóstolo nos diz para andar com prudência. A prudência é escolher os melhores meios para chegar a fins bons. Em última instância, a prudência é escolher os melhores meios para que cheguemos a nosso fim último, que é a felicidade eterna. A imprudência pode vir do fato de que escolhemos meios ruins para chegar a um fim bom ou porque temos em vista um fim mal a ser atingido. Se somos prudentes, escolhemos os melhores meios – lícitos, claro -, para chegarmos ao céu.
São Paulo acrescenta que não devemos ser insensatos, tolos, mas circunspectos. A circunspecção é parte da virtude da prudência. Pela circunspecção, eu considero as circunstâncias, aquilo que está em torno de mim, para poder agir da melhor maneira possível e atingir meu objetivo, que é a salvação. O texto original latino nos fala, porém, não propriamente da circunspecção, mas da sabedoria: não sede insensatos, mas sábios. O sábio é aquele que considera todas as coisas a partir de uma visão elevada. O sábio enxerga as coisas como Deus as vê, dando importância a cada coisa segundo a sua ordenação a Deus. O sábio considera todas as coisas com o olhar da fé, sabendo que estamos aqui nessa vida para ganhar o céu. O sábio não se deixa enganar pelas máximas do mundo, pelo naturalismo que nos faz esquecer de Deus, pelo ateísmo prático, que desconsidera Deus no quotidiano, como se Ele não existisse. O sábio não se deixa levar pelas falsas soluções contrárias à fé ou que não colocam Cristo e sua Igreja em primeiro plano.
E o sábio sabe aproveitar o tempo. Ele não o aproveita como os pagãos ou como os cristãos que vivem como pagãos. Estes, tolos, dizem como Horácio, poeta pagão de antes de Cristo: carpe diem, aproveite o dia, aproveite o tempo. Ele dizia isso para que as pessoas vivessem afogadas em suas desordens, agindo segundo suas paixões. Colocavam a felicidade nisso: nas satisfações das paixões e dos sentimentos. Carpe diem, devemos dizer nós, os católicos, aproveitemos o dia para ganhar o céu, como sábios. É assim que o sábio aproveita o dia, aproveita o tempo. Movido pela perspectiva da eternidade, o sábio sabe que cada instante é precioso para que possa acumular o verdadeiro tesouro, para que possa multiplicar os talentos que lhe foram dados por Deus. Sabe que não pode desperdiçar o tempo com coisas vãs e fúteis. Sabe que não deve consumir seu tempo diante da televisão para ver não somente coisas vãs e fúteis, mas ofensivas a Deus e prejudiciais para a sua alma. E assim também com a internet, muitas vezes. Se consumir seu tempo com isso, será consumida a própria pessoa por essas coisas. O sábio sabe que cada instante de sua vida é precioso para estar em estado de graça, pois o instante seguinte pode ser o de sua morte.
Mais do que aproveitar o tempo, o sábio sabe redimir o tempo, como nos faz compreender o original latino do texto. O sábio redime o tempo, usando-o para o bem de sua alma. O sábio sabe que deve procurar aproveitar ao máximo o tempo, redimir o tempo, principalmente quando os dias são maus. Maus eram os dias no tempo de São Paulo. É bem provável que o Apóstolo faça menção à perseguição sangrenta, com a qual ele mesmo sofreria pouco tempo depois, sendo martirizado pelos romanos. Vivemos também nós dias maus. Os maus dias hoje são maus pela apostasia generalizada, pela tentativa de mudar e de corromper as palavras de vida de Nosso Senhor mesmo nas questões mais elementares. Maus dias porque os homens são insensatos, tolos, dizendo em seus corações: Deus não existe ou, se existe, Ele está sempre de acordo com a minha vontade. Maus dias porque vamos caminhando para o abismo. Cícero, autor pagão de antes de Cristo, exclama diante da depravação de costumes de sua época: “o tempora, o mores” (ó tempos, ó costumes). O que devemos nós exclamar diante de uma sociedade que volta aos mais bárbaros costumes pagãos depois de ter conhecido a luz sublime do Evangelho? Devemos redimir o tempo, dobrando o joelho diante de Nosso Senhor Jesus Cristo, fazendo boas obras, vivendo a fé católica. Não devemos, então, perder o nosso tempo, mas devemos redimi-lo. Aproveitá-lo realmente para a nossa salvação. Fazer tudo com caridade, mesmo as coisas mais simples e necessário. Como nos diz São Paulo (1Cor 10, 31): “quer comais, quer bebais, fazei tudo para a maior glória de Deus”, isto é, por amor a Deus e para que Ele seja mais conhecido e amado.
Devemos, então, caros católicos, evitar a ociosidade, que consiste em ficar à toa ou desperdiçar o tempo com coisas vãs, inúteis. A ociosidade é mãe de todos os vícios, em particular ela é mãe da impureza e da preguiça, sobretudo da preguiça espiritual. Para redimirmos o tempo e evitarmos a ociosidade, devemos fazer um plano de vida. É o que nos sugere a sabedoria católica.
O plano de vida é estabelecer um horário completo e detalhado das ocupações do dia, para procurar cumpri-lo fielmente. Do levantar ao dormir e abarcando todas as atividades. Quais orações e em que momentos do dia as farei. Horários de trabalho, de estudo. Horário também para as distrações, moderadas e não contrárias a Deus. Devemos fazer um horário para cada dia da semana e procurar cumpri-lo, a não ser que haja motivo proporcional para deixá-lo de lado. Chama-se plano de vida, mas é, na verdade, um plano diário, para cada dia. Tampouco precisa ser o mesmo para cada dia, pois cada dia pode ter suas particularidades, com suas obrigações e atividades próprias.
A utilidade do plano de vida é muito clara, sobretudo para os espíritos inconstantes, como tendemos a ser todos na sociedade atual. Sem o plano de vida, perdemos muito tempo, ficamos indecisos sobre o que fazer, nos descuidamos das obrigações ou as cumprimos de modo desordenado e chegamos à inconstância e seremos volúveis. Sem saber o que fazer, terminaremos à toa na internet ou em alguma outra distração inútil. Com o plano de vida sabiamente estabelecido, ao contrário, e tendo definido com precisão as atividades de cada dia, não ficaremos sem saber o que fazer, não perderemos tempo, nada de importante nos escapará, teremos facilidade para fazer todas as nossas ações com espírito sobrenatural e educaremos nossa vontade. É bom que mesmo a família tenha alguns horários estabelecidos para cada dia, sobretudo para a oração.
Para tirar do plano de vida todo o bem que ele pode nos dar, é preciso traçá-lo com sabedoria e não adotá-lo definitivamente a não ser depois de tê-lo provado durante certo tempo, para ver se ele se adapta realmente a nossas obrigações ou se é preciso modificá-lo em algo.
Algumas regras básicas na elaboração do plano de vida: 1º) o plano de vida deve estar completamente de acordo com os deveres de estado da pessoa, de acordo com suas obrigações habituais. Deve levar em conta o seu caráter, para corrigir os defeitos próprios do caráter e para favorecer as virtudes próprias do caráter. Ele deve levar em consideração a sua saúde física. De nada adiantaria estabelecer um plano de vida em que se dorme 5 horas por noite, se no dia seguinte a pessoa não consegue fazer nada bem por causa do cansaço. 2º) O plano de vida deve ser flexível e rígido a um só tempo. Flexível para não nos sentirmos escravizados por ele quando a caridade para com o próximo ou uma circunstância importante imprevista nos obrigue a mudanças. Isso se aplica muito aos pais e mães de família, principalmente de crianças menores. Mas deve ser rígido, pois é preciso procurar segui-lo a não ser que algo relevante o impeça. 3º) O plano de vida deve conter não somente o horário, do acordar ao dormir, mas próximo a ele deve estar também a lista com as minhas más inclinações, que devo combater, e a lista com as virtudes que mais devo procurar adquirir. E a isso devemos juntar o exame de consciência diário.
Caros católicos, devemos aproveitar o tempo. Devemos redimi-lo. Se redimirmos o tempo, o tempo vai nos redimir, pois iremos aproveitá-lo para conquistar o céu.
Em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo. Amém.

 Padre Daniel Pereira Pinheiro, IBP

quarta-feira, 25 de março de 2015

THE ANNUNCIATION OF THE BLESSED VIRGIN MARY; WEDNESDAY OF PASSION WEEK

DOUBLE, FIRST CLASS / WHITE 














Every year this feast recalls anew Mary's reply to God's angelic messenger: "Behold the handmaid of the Lord, be it done unto me according to thy word." Every work of the Creator is called to perfection, and perfection consists in obedience. The heavens and the earth inevitably announce the glory of God, but to human beings alone God granted a free will to serve Him. At the Annunciation, the obedience of Mary brought Christ down on earth to save fallen humanity. we, too, are called upon to co-operate with the Creator. The glory of God awaits our human word of obedient consent.
 

INTROIT
 (Ps. 44:13, 15, 16)All the rich among the people shall seek your favor. Behind her the virgins shall be led to the king, her friends shall be brought to you with gladness and joy. 
Ps. 44:2.
 My heart overflows with good tidings; I sing my song to the king. 
V.
 Glory be . . .


COLLECT
 
O God, by Your divine decree the Word was made flesh in the womb of the Blessed Virgin Mary at the announcement of the angel. May the prayers of the Virgin help us, for we believe that she is truly the Mother of God. Through the same Jesus Christ, our Lord . . .
 


Commemoration of WEDNESDAY OF PASSION WEEK
O God, sanctify the Lenten fast and in Your mercy enlighten the hearts of Your faithful. Hear the prayers of those who, by Your grace, call upon You with devotion. Through Our Lord . . .

LESSON (Isa. 7:10-15)
In those days, the Lord spoke again to Achaz, saying: "Ask thee a sign of the Lord thy God, either unto the depth of hell, or unto the height above." And Achaz said: "I will not ask, and I will not tempt the Lord." And he said: "Hear ye therefore, O house of David: Is it a small thing for you to be grievous to men, that you are grievous to my God also? Therefore the Lord himself shall give you a sign. Behold a virgin shall conceive, and bear a son and his name shall be called Emmanuel. He shall eat butter and honey, that he may know to refuse the evil, and to choose the good."
 


GRADUAL (Ps. 44:3, 5)
Grace is poured out on your lips; therefore God has blessed you forever and for all ages. V. For the sake of truth and meekness and justice, may your right hand lead you on wonderfully.

TRACT (Ps. 44:11, 12, 13, 10 15-16)
Hear, O daughter, and see; turn your ear, for the king greatly desires your beauty. V. All the rich among the people seek your favor, the daughters of the king wish to be held in honor by you. V. Behind her the virgins shall be led to the king; her friends shall be brought to you. V. They shall be brought in with gladness and joy, they shall be led into the temple of the king.

GOSPEL (Luke 1:26-38)
 
At that time, the angel Gabriel was sent from God into a city of Galilee, called Nazareth, To a virgin espoused to a man whose name was Joseph, of the house of David: and the virgin's name was Mary. And the angel being come in, said unto her: "Hail, full of grace, the Lord is with thee: blessed art thou among women." Who having heard, was troubled at his saying and thought with herself what manner of salutation this should be. And the angel said to her: "Fear not, Mary, for thou hast found grace with God. Behold thou shalt conceive in thy womb and shalt bring forth a son: and thou shalt call his name Jesus. He shall be great and shall be called the Son of the Most High. And the Lord God shall give unto him the throne of David his father: and he shall reign in the house of Jacob for ever. And of his kingdom there shall be no end."
 
And Mary said to the angel: "How shall this be done, because I know not man?" And the angel answering, said to her: "The Holy Ghost shall come upon thee and the power of the Most High shall overshadow thee. And therefore also the Holy which shall be born of thee shall be called the Son of God. And behold thy cousin Elizabeth, she also hath conceived a son in her old age: and this is the sixth month with her that is called barren. Because no word shall be impossible with God." And Mary said: "Behold the handmaid of the Lord: be it done to me according to thy word."
 

OFFERTORY ANTIPHON (Luke 1:28, 42)
 
Hail, Mary, full of grace, the Lord is with thee. Blessed art thou among women, and blessed is the fruit of thy womb.
 

SECRET 

O Lord, fix deeply in our minds the mysteries of our true faith. We profess that Your Son who was conceived of a virgin is true God and true man. May His life-giving resurrection bring us the reward of eternal happiness. Through the same Jesus Christ, our Lord . . .
 


Commemoration of WEDNESDAY OF PASSION WEEK
O merciful God, hear us, and grant that we may offer this sacrifice of praise and reparation with true devotion. Through Our Lord . . .

COMMUNION ANTIPHON (Isa. 7:14)
Behold, a virgin shall conceive, and shall bear a son, and his name shall be called Emmanuel.
 

POSTCOMMUNION 

Pour forth Your grace into our hearts, O Lord, so that we who learned of the Incarnation of Your Son Christ through the message of an angel, may be brought to the glory of Jesus' resurrection by His passion and cross. Through the same Jesus Christ, our Lord . . .



Commemoration of WEDNESDAY OF PASSION WEEK
O Almighty God, we humbly beg the heavenly blessings of Your Sacrament which we have received. May it bring us Your grace and salvation. Through Our Lord . . .




http://tridentine-mass.blogspot.pt/2015/03/the-annunciation-of-blessed-virgin-mary.html

quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

MEMÓRIAS DA IRMÃ LÚCIA- QUARTA MEMÓRIA-A MENSAGEM DE FÁTIMA

MEMÓRIAS DA IRMÃ LÚCIA- QUARTA MEMÓRIA
 APÊNDICE IIIA parte mais bem guardada do «segredo» de Fátima, acompanhada
de um comentário adequado da Congregação para a Doutrina da Fé, foi publicada em 26 de Junho de 2000. Com esta divulgação a Mensagem de Fátima alcança uma actualidade e um valor extraordinários.
Transcrevemos aqui, na íntegra, o texto do referido documento.


A MENSAGEM DE FÁTIMA
APRESENTAÇÃO

Na passagem do segundo para o terceiro milénio, o Papa João
Paulo II decidiu tornar público o texto da terceira parte do «segredo
de Fátima».
Depois dos acontecimentos dramáticos e cruéis do século XX,
um dos mais tormentosos da história do homem, com o ponto culminante no cruento atentado ao «doce Cristo na terra», abre-se
assim o véu sobre uma realidade que faz história e a interpreta na
sua profundidade segundo uma dimensão espiritual, a que é refractária a mentalidade actual, frequentemente eivada de
racionalismo.
A história está constelada de aparições e sinais sobrenaturais,
que influenciam o desenrolar dos acontecimentos humanos e
acompanham o caminho do mundo, surpreendendo crentes e descrentes.
Estas manifestações, que não podem contradizer o conteúdo
da fé, devem convergir para o objecto central do anúncio de
Cristo: o amor do Pai que suscita nos homens a conversão e dá a
graça para se abandonarem a Ele com devoção filial. Tal é a mensagem de Fátima, com o seu veemente apelo à conversão e à
penitência, que leva realmente ao coração do Evangelho.
Fátima é, sem dúvida, a mais profética das aparições modernas.
A primeira e a segunda parte do «segredo», que são publicadas
em seguida para ficar completa a documentação, dizem respeito
antes de mais à pavorosa visão do inferno, à devoção ao Imaculado
Coração de Maria, à segunda guerra mundial, e depois ao prenúncio dos danos imensos que a Rússia, com a sua defecção da fé cristã e adesão ao totalitarismo comunista, haveria de causar à
humanidade.
Em 1917, ninguém poderia ter imaginado tudo isto: os três
pastorinhos de Fátima vêem, ouvem, memorizam, e Lúcia, a testemunha sobrevivente, quando recebe a ordem do Bispo de Leiria e a autorização de Nossa Senhora, põe por escrito.
Para a exposição das primeiras duas partes do «segredo»,
aliás já publicadas e conhecidas, foi escolhido o texto escrito pela
Irmã Lúcia na terceira memória, de 31 de Agosto de 1941; na quarta memória, de 8 de Dezembro de 1941, ela acrescentará qualquer observação.
A terceira parte do «segredo» foi escrita «por ordem de Sua
Ex.cia Rev.ma o Senhor Bispo de Leiria e da (...) Santíssima Mãe»,
no dia 3 de Janeiro de 1944.
O envelope selado foi guardado primeiramente pelo Bispo de Leiria. Para se tutelar melhor o «segredo», no dia 4 de Abril de 1957 o envelope foi entregue ao Arquivo Secreto do Santo Ofício.
Disto mesmo, foi avisada a Irmã Lúcia pelo Bispo de Leiria.
Segundo apontamentos do Arquivo, no dia 17 de Agosto de 1959 e de acordo com Sua Eminência o Cardeal Alfredo Ottaviani,
o Comissário do Santo Ofício, Padre Pierre Paul Philippe OP, levou
a João XXIII o envelope com a terceira parte do «segredo de Fátima». Sua Santidade, «depois de alguma hesitação», disse: «Aguardemos. Rezarei. Far-lhe-ei saber o que decid

Lê-se no diário de João XXIII, a 17 de Agosto de 1959: «Audiências: P. Philippe,
Comissário do S.O., que me traz a carta que contém a terceira parte dos segredos de Fátima. Reservo-me de a ler com o meu Confessor
».


 O «SEGREDO» DE FÁTIMA
Primeira e segunda parte do «Segredo» segundo a redacção feita pela Irmã Lúcia na «Terceira Memória», de 31 de Agosto de 1941, destinada ao Bispo de Leiria-Fátima.
(texto original)

 "Terei para isso que falar algo do segredo e responder ao primeiro
ponto de interrogação.
O que é o segredo?
Parece-me que o posso dizer, pois que do Céu tenho já a licença.
Os representantes de Deus na terra, têm-me autorizado a
isso várias vezes, e em várias cartas, uma das quais, julgo que
conserva V. Ex.cia Rev.ma do Senhor Padre José Bernardo Gonçalves, na em que me manda escrever ao Santo Padre. Um dos pontos que me indica é a revelação do segredo. Algo disse, mas para não alongar mais esse escrito que devia ser breve, limitei-me ao indispensável, deixando a Deus a oportunidade d’um momento mais favorável.
Expus já no segundo escrito a dúvida que de 13 de Junho a 13
de Julho me atormentou e que n’essa aparição tudo se desvaneceu.
Bem o segredo consta de três coisas distintas, duas das quais
vou revelar.
A primeira foi pois a vista do inferno!
Nossa Senhora mostrou-nos um grande mar de fôgo que parcia
estar debaixo da terra. Mergulhados em êsse fôgo os demónios e
as almas, como se fossem brasas transparentes e negras, ou

bronziadas com forma humana, que flutuavam no incêndio levadas
pelas chamas que d’elas mesmas saiam, juntamente com nuvens
de fumo, caindo para todos os lados, semelhante ao cair das
faulhas em os grandes incêndios sem peso nem equilíbrio, entre
gritos e gemidos de dôr e desespero que horrorizava e fazia estremecer de pavor. Os demónios destinguiam-se por formas horríveis e ascrosas de animais espantosos e desconhecidos, mas transparentes e negros. Esta vista foi um momento, e graças à nossa bôa Mãe do Céu; que antes nos tinha prevenido com a promeça de nos levar para o Céu (na primeira aparição) se assim não fosse, creio que teríamos morrido de susto e pavor.
Em seguida, levantámos os olhos para Nossa Senhora que
nos disse com bondade e tristeza:
– Vistes o inferno, para onde vão as almas dos pobres
pecadores, para as salvar, Deus quer establecer no mundo a
devoção a meu Imaculado Coração. Se fizerem o que eu disser
salvar-se-ão muitas almas e terão paz. A guerra vai acabar, mas
se não deixarem de ofender a Deus, no reinado de Pio XI começará
outra peor. Quando virdes uma noite, alumiada por uma luz
desconhecida, sabei que é o grande sinal que Deus vos dá de que
vai a punir o mundo de seus crimes, por meio da guerra, da fome e
de perseguições à Igreja e ao Santo Padre. Para a impedir virei
pedir a consagração da Rússia a meu Imaculado Coração e a
comunhão reparadora nos primeiros sábados. Se atenderem a
meus pedidos, a Rússia se converterá e terão paz, se não,
espalhará seus erros pelo mundo, promovendo guerras e
perseguições à Igreja, os bons serão martirizados, o Santo Padre
terá muito que sufrer, várias nações serão aniquiladas, por fim o
meu Imaculado Coração triunfará. O Santo Padre consagrar-me-á
a Rússia, que se converterá, e será consedido ao mundo algum
tempo de paz."
 

Na «quarta memória», de 8 de Dezembro de 1941, a Irmã Lúcia escreve: «Começo pois a minha nova tarefa, e cumprirei as ordens de V. Ex.cia Rev.ma e os desejos do Senhor Dr. Galamba. Exceptuando a parte do segredo que por agora não me é permitido revelar, direi tudo; advertidamente não deixarei nada.
Suponho que poderão esquecer-me apenas alguns pequenos detalhes de mínima importância»
.


 Na citada «quarta memória», a Irmã Lúcia acrescenta: «Em Portugal se conservará sempre o dogma da fé etc.».

TERCEIRA PARTE DO «SEGREDO»
(texto original)

«J.M.J.
A terceira parte do segredo revelado a 13 de Julho de 1917 na
Cova da Iria-Fátima.
Escrevo em acto de obediência a Vós Deus meu, que mo
mandais por meio de sua Ex.cia Rev.ma o Senhor Bispo de Leiria e
da Vossa e minha Santíssima Mãe.
Depois das duas partes que já expus, vimos ao lado esquerdo
de Nossa Senhora um pouco mais alto um Anjo com uma espada
de fôgo em a mão esquerda; ao centilar, despedia chamas que
parecia iam encendiar o mundo; mas apagavam-se com o contacto
do brilho que da mão direita expedia Nossa Senhora ao seu
encontro: O Anjo apontando com a mão direita para a terra, com
voz forte disse: Penitência, Penitência, Penitência! E vimos n’uma
luz emensa que é Deus: “algo semelhante a como se vêem as
pessoas n’um espelho quando lhe passam por diante” um Bispo
vestido de Branco “tivemos o pressentimento de que era o Santo
Padre”. Varios outros Bispos, Sacerdotes, religiosos e religiosas
subir uma escabrosa montanha, no cimo da qual estava uma grande Cruz de troncos toscos como se fôra de sobreiro com a casca;
o Santo Padre, antes de chegar aí, atravessou uma grande cidade
meia em ruínas, e meio trémulo com andar vacilante, acabrunhado
de dôr e pena, ia orando pelas almas dos cadáveres que encontrava pelo caminho; chegado ao cimo do monte, prostrado de juelhos aos pés da grande Cruz foi morto por um grupo de soldados que lhe dispararam varios tiros e setas, e assim mesmo foram morrendo uns trás outros os Bispos Sacerdotes, religiosos e religiosas e varias pessoas seculares, cavalheiros e senhoras de varias classes e posições. Sob os dois braços da Cruz estavam dois Anjos cada um com um regador de cristal em a mão, n’êles recolhiam o sangue dos Martires e com êle regavam as almas que se aproximavam de Deus.
Tuy-3-1-1944 »
.